Governo entrega plano nacional de imunização contra a covid-19 ao STF

Governo entrega plano nacional de imunização contra a covid-19 ao STF

Neste sábado (12), o governo federal entregou ao Supremo Tribunal Federal (STF) o plano nacional de imunização contra a covid-19. Apesar de apontar que serão 108,3 milhões de doses e cerca de 51 milhões de pessoas de grupos prioritários imunizados, o documento não prevê uma data para o início da vacinação.

Chama atenção que no documento o governo coloca a vacina Coronavac, da empresa chinesa Sinovac que tem parceria com o Instituto Butatan, como uma dos possíveis imunizantes a serem adquiridos, a depender dos resultados e da aprovação da Anvisa (Agencia Nacional de Vigilância Sanitária). Devido a uma disputa pessoal do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) com o governador de São Paulo, João Doria, o governo federal não é objetivo ao afirmar se pretende adquirir as vacinas da empresa chinesa.

O mais próximo de uma data que consta no plano está em uma nota técnica, que acompanha o plano encaminhado ao STF. Segundo a nota, a previsão é que os grupos prioritários sejam vacinados ao longo do primeiro semestre de 2021.

O documento destaca ainda que não há vacina registrada e licenciada no Brasil. Confira na íntegra o Documento (Clique aqui).

Nada de “finalzinho”

Os dados consolidados da última semana epidemiológica provam que a pandemia não está perto do seu fim, contradizendo a fala do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) na última quinta-feira (10) em evento no Rio Grande do Sul.

Os números do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) mostram que nos últimos sete dias (06/12 – 12/12) foram registrados 302.950 casos de coronavírus, enquanto que no período anterior (29/11 – 05/12) foram 286.905 pessoas contaminadas. Se tratando do número de mortes, nesta semana foram contabilizadas 4.495, e no período anterior foram 4.067.

Neste sábado (12), o país chegou a 181.123 mortos depois de serem contaminados, já o número de infectados é de 6.880.127. No último período de 24h foram 686 óbitos e 43.900 casos.

:: Reinfecção por coronavírus acende mais um alerta da pandemia ::

O estado de São Paulo é o primeiro tanto em número de novos casos quanto de mortos. Até este sábado (12) são 1.333.763 infectados e 43.971 óbitos.

:: Covid: Brasil chega a 180 mil mortes e especialistas temem aglomerações de fim de ano ::

Depois de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais têm os maiores números de mortes. São 43.971; 23.718; e 23.718 óbitos, respectivamente.

Quanto ao número de casos, os maiores registros são em São Paulo, Minas Gerais e Bahia, com 1.333.763; 464.545 e 443.465.

:: Bolsonaro não utilizou R$ 5,6 bilhões liberados para enfrentamento da pandemia ::

O país apresenta atualmente uma taxa de letalidade de 2,6% e índice de mortalidade de 85 casos para cada 100 mil habitantes. A taxa de letalidade diz respeito à proporção de mortos em relação ao total de infectados. Já o índice de mortalidade corresponde a um percentual demográfico.

Saiba o que é o novo coronavírus

É uma vasta família de vírus que provocam enfermidades em humanos e também em animais. A Organização Mundial da Saúde (OMS) indica que tais vírus podem ocasionar, em humanos, infecções respiratórias como resfriados, entre eles a chamada “síndrome respiratória do Oriente Médio (MERS)”.

Também pode provocar afetações mais graves, como é o caso da Síndrome Respiratória Aguda Severa (SRAS). A covid-19, descoberta pela ciência mais recentemente, entre o final de 2019 e o início de 2020, é provocada pelo que se convencionou chamar de “novo coronavírus”.

Como ajudar quem precisa?

Nos diferentes cantos do país, há muitas formas de prestar solidariedade à população mais vulnerável neste momento de pandemia. Uma delas é a campanha “Vamos precisar de todo mundo”, coordenada pelas Frentes Brasil Popular e Povo Sem Medo, no intuito de divulgar ações populares de cooperação.